• Babalawô Ivanir dos Santos

Coluna: Caminhos abertos


Essa é uma ilustração de Breno Loeser, ilustrador da revista KOBÁ

O professor doutor Babalawô Ivanir dos Santos é coordenador de área de pesquisa no Laboratório de História das Experiências Religiosas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LHER/UFRJ), membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e conselheiro de estratégia do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP). Em 2019, recebeu um prêmio do Departamento de Estado do Governo dos Estados Unidos pela sua atuação na luta contra a intolerância às religiões de matrizes africanas no Brasil. Em toda edição, o professor elucida dúvidas sobre Candomblé e religiosidade de matriz africana.


Qual é a relação de Ogum com Oxóssi e Exu?

Bom, a relação entre Ogum e Oxóssi é porque ambos estão ligados à caça. No Brasil, popularmente Oxossi é mais ligado à caça, mas acontece que quem faz os instrumentos para a caça é Ogum. E por isso que na Nigéria ele é cultuado também pelos caçadores. E como Ogum também abre caminho, ele tem proximidade com Exu. E é por isso que os três são considerados irmãos e, se tem uma oferenda, ela é dada aos três juntos.


Por que Ogum é associado às guerras?

Ele é associado à guerra porque é ele quem faz os instrumentos e as ferramentas de guerra e para a guerra. Ele é ferreiro! Ele é considerado o orixá ligado à tecnologia, pois não tem nada que se faça nessa área sem a utilização do ferro ou com a extração do ferro. (...)


Para ler o texto completo, clique aqui e assine gratuitamente a revista KOBÁ.


26 visualizações0 comentário